• melody erlea

patagonia, a marca de roupa que pertence à natureza



"eu sou empreendedor há mais de 60 anos, e tenho tanta vergonha de admitir isso quanto outras pessoas teriam de admitir que são alcóolatras" - é assim que yvo chouinard, fundador e dono da marca de roupas e equipamentos para esportes radicais ao ar livre patagonia, começa sua autobiografia.


a marca patagonia foi pioneira e revolucionária desde sua criação, em 1973, com foco em produtos de altíssima qualidade e durabilidade e eu posicionamento pró-meio-ambiente. sobre seu papel como homem de negócios, chouinard escreveu: "nós acreditamos que o modelo aceito de capitalismo, que necessita de crescimento infinito e merece a culpa pela destruição da natureza, precisa ser substituído". desde 1985, 1% dos lucros anuais para projetos e causas ambientais e há mais de 10 anos 100% dos lucros das vendas em black fridays tem o mesmo destino.



a patagonia sempre apostou em modelos originais e únicos de venda e marketing - os anúncios da marca viraram clássicos por fugirem da estética "propaganda" e focarem na beleza natural do mundo que se torna alcançavel quando a gente vive aventuras vestindo a marca - um exemplo é a icônica foto do casal jogando e bebê por cima de um penhasco, uma foto nada manipulada, tirada numa escalada real, que virou até meme.



em 2011, a patagonia surpreendeu novamente com um anúncio publicado numa página inteira do new york times na black friday. o anúncio dizia, de maneira clara em letras garrafais: não compre essa jaqueta. o anúncio também incentivava os consumideores a asinarem o termo de responsabilidade da nova iniciativa da marca, "commom threads", em que a patagonia se comprometia a fazer itens duráveis e de qualidade, remendar e reparar itens danificados, ajudar os clientes a revenderem suas roupas, e recolher peças que seriam descartadas. em troca, os consumidores se comprometiam a não comprar o que não precisassem, consertar o que estivesse quebrado, revender suas roupas paradas, e evitar que roupas fossem parar em aterros sanitários.

ao longo de toda essa história, a marca nunca perdeu sua popularidade, reputação ou qualidade - e seguiu gerando empregos e lucro.


esse ano, yvo chouinard deu o passo final e absoluto para garantir que sua empresa siga servindo ao planeta - numa carta postada em seu site e redes sociais, ele avisa que doou todas as ações da patagonia a duas instituições que, juntas, usarão os lucros da empresa para combater o aquecimento global e a destruição do meio-ambiente.


exemplo de empresa combatendo o capitalismo selvagem e mostrando que é possível mudar a maneira de pensar, produzir e vender sem que tudo entre em colapso. o que vocês pensam disso?

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo