• melody erlea

vamos falar sobre dinheiro (e como economiz√°-lo)

(ilustrado com as mensagens de wastedrita)

ūüď∑

esse, infelizmente, n√£o √© um post daqueles estilo buzzfeed ca√ßa-clique "como economizar dinheiro em 5 passos simples" ou "como juntar tantos mil reais em x meses com apenas duas mudan√ßas na sua rotina". eu, infelizmente, n√£o acredito em auto-ajuda. por outro lado, eu n√£o acreditar em auto-ajuda √© √≥timo, porque eu n√£o vou tentar te convencer a fazer nada com a promessa de mudar a sua vida pra melhor. eu t√ī aqui pra contar como eu, aos poucos, t√ī mudando a minha vida pra melhor. ent√£o tudo que eu digo aqui √© o que realmente acontece comigo, o que n√£o quer dizer que voc√™ vai fazer igual - afinal, n√≥s n√£o somos iguais.

algo que eu tenho de sobra √© poder de observa√ß√£o. em muitos casos eu falo pouco, mas t√ī sempre ouvindo e olhando tudo que acontece ao meu redor, e isso √© valioso. passei uma vida inteira observando meus pais, meus av√≥s, minha tia, e atualmente observo bastante todos os adultos ao meu redor - colegas de trabalho, amigos dos meus pais, meus pr√≥prios amigos.

mas quando a gente fala de dinheiro, preciso lembrar um pouco nos meus pais. passei a vida inteira ouvindo duas coisas sobre dinheiro: sempre ouvi que o dinheiro n√£o era suficiente. e sempre ouvi que alguns membros da fam√≠lia s√≥ pensavam e s√≥ falavam em dinheiro - sempre achei essa uma coloca√ß√£o curiosa, porque pra mim, durante toda a inf√Ęncia e adolesc√™ncia, o que eu sabia √© que todo e qualquer adulto s√≥ pensa e s√≥ fala em dinheiro. e eu sabia que n√£o queria, de maneira nenhuma, ser uma adulta que s√≥ pensa e s√≥ fala em dinheiro. e n√£o sou. mas hoje vou pensar e falar em dinheiro porque acredito que eu desenvolvi, n√£o facilmente, uma rela√ß√£o saud√°vel com esse conceito n√£o-natural que √© o de ganhar dinheiro.

meus pais sempre pareceram estar em tempos difíceis. era difícil pagar a escola pra mim e minha irmã, era difícil pagar as contas de luz, telefone, tv a cabo, era difícil pagar a faculdade de medicina do meu pai (que ele decidiu cursar depois de ter tido duas filhas e estar tendo que arcar com todos os custos relacionados a procriar), era difícil pagar por roupas e sapatos novos que duas crianças em crescimento precisam com tanta frequência, era difícil viver e ter que pagar por tudo que pagamos apenas pra poder viver. a vida era difícil, mas precisei de maturidade pra entender por quê.

desde cedo entendi que um padr√£o de vida aceit√°vel e de sucesso tinha que ter todas essas coisas: escola particular, tv a cabo, telefone, celular, roupas novas, faculdade e um emprego que d√° status.

ūüď∑

at√© mar√ßo do ano passado eu ainda morava com meus pais, o que significava que eu n√£o tinha muitos gastos, e que meu precioso dinheirinho podia ser gasto com coisas que me davam prazer. meu maior gasto sempre foi roupa, seguido provavelmente por gasolina e gastos com o carro em geral (que me d√£o zero prazer mas eu vivo num lugar desprovido de transporte p√ļblico). al√©m disso, eu vivia comprando quinquilharia, cacarecos, coisas de enfeitar, objetos fofos da daiso, bonequinho de desenho animado, delineadores mil, batons e esmaltes que eu usava uma vez, coca-cola, bijuterias diversas, len√ßos, echarpes, bolsas. al√©m disso eu tinha um celular p√≥s-pago com internet 4g ilimitada e minutos e sms ilimitados pra qualquer operadora. e al√©m disso √†s vezes eu curtia almo√ßar fora, jantar fora, pedir comida, sair pra comer uma sobremesinha gostosa. e, claro, eu tava na √©poca da chapinha a qualquer custo ent√£o vezenquando tamb√©m ia ao sal√£o pra lavar o cabelo e algu√©m fazer escova em mim pra eu n√£o precisar fazer.

no final do m√™s, mesmo morando com meus pais - e mesmo ganhando quase o mesmo do que t√ī ganhando esse ano - eu n√£o tinha dinheiro. isso quer dizer que muitos dos meus sonhos e vontades - viajar, morar sozinha, ter meus m√≥veis, pagar meu pr√≥prio aluguel - iam ficando pra escanteio. sem contar que eu s√≥ consegui come√ßar a juntar um dinheirinho, fazer meu p√©zinho de meia, ano passado quando me mudei. mas minha cole√ß√£o de roupas, gemt, era de invejar. nas baladeenhas alternativas da rua augusta - baladeenhas eram outro dos meus gastos comuns dessa √©poca - eu arrasava nos looks. no trabalho, que eu odiava, eu arrasava nos looks.

quando me mudei, estava trabalhando h√° 6 meses na escola que at√© ent√£o me pagava o melhor sal√°rio da minha vida. e depois desses seis meses, me ofereceram todas as turmas da escola e meu sal√°rio quase dobrou - foi a√≠ que decidi que tinha condi√ß√Ķes pra me bancar, mas teria que editar alguns dos meus gastos pra n√£o correr o risco de n√£o conseguir pagar o aluguel e as contas da casa. os meus primeiros 6 meses morando sozinha foram 6 meses em que me comprometi a n√£o comprar roupas. no entanto, gastei dinheiro com outras coisas: tive que comprar cama, geladeira, m√°quina de lavar roupa. potes pra cozinha, copos, uma mesa pra eu trabalhar. coisas e mais coisas na leroy merlin que hoje nem sei mais. enfim, eu troquei os gastos em roupas por gastos com a casa, e mesmo tendo ganhado muita coisa da minha m√£e e da minha v√≥, esse per√≠odo de mudan√ßa e de deixar a casa nova com cara de lar demanda uma certa grana. mesmo assim, gente, por causa do sal√°rio maravilhoso que eu tava ganhando em troca de 28 horas de aula semanais pra crian√ßas mimadas e loucas, eu consegui juntar dinheiro. eu juntei o primeiro dinheiro da minha vida, e a sensa√ß√£o foi maravilhosa: n√£o porque agora eu tinha um mar de grana guardada e podia ficar de boa, mas porque eu tinha um pouquinho de grana guardada, o que significava que quando a escola me demitiu e eu parei de ganhar o sal√°rio maravilhoso, eu n√£o precisava passar as noites acordada me preocupando.

a demiss√£o inesperada, al√©m de ter sido um momento pra eu rever (de novo) meus gastos, foi um dos pontap√©s pra eu come√ßar esse blog - principalmente porque agora eu teria tempo pra fazer coisas legais do tipo um blog pra falar sobre roupa. e a√≠ percebi que tempo e tranquilidade s√£o mais legais do que ganhar muito bem e adquirir uma √ļlcera por conta do stress (sim, isso aconteceu) e n√£o ter tempo nem pra tomar banho. e percebi, ent√£o, o quanto da minha vida eu j√° tinha editado, e como me desvencilhar cada vez mais dos par√Ęmetros de sucesso dos meus pais me fez aproximar e entender cada vez mais os meus par√Ęmetros de sucesso. eu comecei a entender porque meus pais sempre reclamaram de dinheiro; eles o gastavam em coisas, a meu ver, desnecess√°rias pra n√£o ficar pra tr√°s, pra n√£o parecer que eles tinham menos, pra estar de acordo com um padr√£o de estilo de vida que os ensinaram como ideal.

e por causa desse estilo de vida ideal, claro, nossos pais s√£o toda uma gera√ß√£o de gente que teve filho cedo demais apenas porque ter filho √© o que se deve fazer. uma gera√ß√£o inteira de gente pondo mais gente no mundo sem estar preparado financeiramente e mentalmente pra cuidar dessas crian√ßas todas, apenas porque √© assim que um adulto deve viver. uma gera√ß√£o toda de gente se endividando com casa, carro e filho pra seguir padr√Ķes de vida absurdos que a gente n√£o questiona e que dominam nossas exist√™ncias e nossas mentes.

ūüď∑

lembro que anos atr√°s - n√£o muitos anos, uns dois ou tr√™s no m√°ximo - eu estava conversando com uma amiga minha pelo whatsapp quando ela disse "bom, miga, agora vou desligar o 3g que t√ī na rua e n√£o quero gastar". lembro que na √©poca achei aquilo t√£o absurdo: como algu√©m consegue viver sem ter internet veloz 4g no celular o tempo todo??? hoje em dia acho absurdo o contr√°rio: como eu me dispus a pagar 180 reais por m√™s POR ANOS pra ter servi√ßos ilimitados que eu nem usava? qual tinha sido a √ļltima vez que eu mandei um sms pra algu√©m? quando √© que eu sequer telefonava pra algu√©m? e quanto √† internet, eu n√£o passava de 80 a 100% do meu tempo em locais com wifi dispon√≠vel? a decis√£o de mudar meu celular pra pr√©-pago foi uma das melhores da vida. quando tem wifi √≥timo, quando n√£o tem ele fica l√° quietinho na minha bolsa como deve ser, e meu gasto com telefonia m√≥vel passou de 180 reais por m√™s a 50 reais por semestre. (sem contar que eu nunca mais na vida assinarei um contrato que dita que eu preciso ser fiel por um ano a uma empresa que se alimenta da minha alma, da minha felicidade e da minha vontade de viver).

al√©m disso, n√£o tenho tv a cabo - n√£o tenho nem sequer tv aberta porque odeio tv e odeio propaganda. uso netflix que atualmente √© pago pelo namo, e pago minha assinatura mensal do spotify - que tenho usado t√£o pouco que t√ī seriamente pensando em cancelar tamb√©m - afinal a internet tem tudo de gra√ßa, o netflix e o spotify s√£o apenas pelo conforto (o mesmo conforto desnecess√°rio de ter internet e liga√ß√Ķes ilimitadas no celular p√≥s-pago). n√£o compro mais livros, baixo todos para o kindle tamb√©m de gra√ßa por meio da maravilhosa pirataria virtual. n√£o vou mais ao sal√£o de beleza, que inclusive sempre odiei, e n√£o gasto dinheiro com tintura de cabelo ou nenhuma outra qu√≠mica - nada que exija manuten√ß√£o que custe dinheiro e tempo. n√£o compro maquiagem ¬†- e digo isso n√£o pra me colocar numa posi√ß√£o melhor do que mulheres que compram e usam maquiagem. pra mim, maquiagem era uma obriga√ß√£o, algo que eu tinha que fazer pra ser aceita socialmente, mas nunca foi algo que eu gostei. conhe√ßo muitas mulheres que enxergam o momento da maquiagem como um momento de paz, medita√ß√£o, auto-conhecimento, um momento pra elas e s√≥ pra elas. cada um tem o momento de medita√ß√£o que lhe conv√©m, maquiagem s√≥ me causa desgosto. n√£o tenho telefone fixo (algu√©m da minha gera√ß√£o tem?), n√£o deixo eletrodom√©sticos na tomada quando n√£o est√£o sendo usados, n√£o compro balas, chicletes, refrigerantes, sucos de caixinha e bebidas a√ßucaradas no geral (inclusive ch√°s - eu bebo √°gua em todas as refei√ß√Ķes, at√© caf√© da manh√£, mas isso √© menos por economia e mais por gosto pessoal mesmo. de qualquer jeito, fica aqui a reflex√£o: voc√™s j√° pararam pra pensar nas coisas que a gente bebe? n√£o vou nem falar de caf√© que √© um tro√ßo horroroso e n√£o entendo que seja apreciado, mas esses sucos de caixa, essas √°guas com sabor, essas coisas todas; por qu√™, gente? √°gua √© fresquinha e mata a sede e refresca e √© t√£o bonita toda transparente e n√£o atrapalha o gosto de nada, a gente foi feito pra beber √°gua, galera). e pra coroar tudo isso, esse ano fechei a m√£o pra absolutamente tudo que n√£o fosse necess√°rio - at√© a minha listinha de compras necess√°rias do ano foi editada e n√£o comprei nada que constava nela ainda - e n√£o pretendo comprar at√© o fim do ano. algumas coisas n√£o pretendo comprar nunca.

até hoje, dos gastos previstos tive só os comuns de morar sozinha: aluguel, luz, internet, gasolina. queria comprar um sofá mas não vou, até porque eu e namo estamos pensando em juntar nossas trouxinhas e ele já tem sofá, e quantos sofás um casal precisa ter? pensei em comprar mais uma prateleira pra cozinha mas no fim coube tudo nas prateleiras que eu já tinha. vou me livrar do carro assim que me mudar pra civilização - e com ele vão os gastos de ipva, gasolina e manutenção (e nem os pneus novos que tinha planejado comprar vou precisar mais). da minha lista original, sobrou delineador - que não precisei comprar ainda, porque tenho um mini estoque - e reposição de coisas estragadas: um dos meus pares de botas foi comido pela matilda, e o outro não é da maior qualidade e o solado tá tão desgastado que meu pé tá quase encostando no chão, então fui no enjoei e achei botas por um preço decente pra substituir as minhas. 

a li√ß√£o que eu aprendi √© essa: quando a gente realmente entende nossas necessidades - que est√£o atreladas √† nossa rotina e a nossos gostos, n√£o a um padr√£o de vida - √© mais f√°cil identificar tudo aquilo que a gente tem e paga s√≥ pelos outros, pros outros verem que a gente tem. coisas que eu tinha e pagava pelos outros: roupas demais (lindas, por√©m em n√ļmero exagerado), bolsas demais, sapatos desconfort√°veis demais, maquiagens e esmaltes, cabelo liso, celular p√≥s-pago, quinquilharias fofas, coisas de papelaria. coisas que eu tenho e pago porque minha rotina demanda mas que n√£o quero ter: carro e gastos que v√™m com ele. coisas que tenho e pago pra mim, apenas pra minha satisfa√ß√£o e/ou necessidade pessoal: netflix, spotify, cr√©ditos do celular de vez em quando, aluguel, luz, internet. n√£o tenho d√≠vidas no cart√£o de cr√©dito pois n√£o o uso - s√≥ compro coisas se tenho dinheiro pra pag√°-las na hora, assim meu cr√©dito fica pra alguma situa√ß√£o emergencial.¬†

e desse jeito, ganhando ligeiramente menos do que eu ganhava quando morava com meus pais (e olha que j√° era um sal√°rio ruim naquela √©poca), n√£o tenho problemas financeiros, n√£o me preocupo com dinheiro, e n√£o sinto que preciso de nada que eu j√° n√£o tenha - a n√£o ser, claro, comida quando acaba. e ainda me permito certos luxos: ainda saio pra comer √†s vezes, embora com bem menos frequ√™ncia do que antes. de vez em quand√≠ssimo saio √† noite, pra ver algum show, pra ir tomar uma cerveja com os amigos. tenho dinheiro pra comprar ingressos de shows de bandas que vem pro brasil sem ficar tensa com o gasto - me lembro com tristeza de tantos shows que eu perdi porque gastei todo meu dinheiro em balada e roupa (mas tamb√©m n√£o quero ser injusta comigo mesma: as baladas, o dan√ßar a noite b√™bada com minhas amigas, o ouvir um dj tocando m√ļsicas que eu achava que eram s√≥ minhas pra um grupo de pessoas t√£o extasiadas quanto eu de estar ouvindo aquilo em p√ļblico, de estar dividindo aquela can√ß√£o e aquela felicidade com um monte de gente an√īnima.... se eu disser que isso n√£o me salvou durante uns anos da minha vida, seria mentira - quantas vezes eu n√£o cantei a plenos pulm√Ķes hang the dj, sabendo que era esse dj que tava dando um pouquinho de sentido pra minha vida).

hoje dou 13 horas de aula por semana (em oposição às quase 30 horas de aula que dava quando estava ganhando bem ano passado, e às 24 horas de aula que dava quando morava com meus pais e ganhava o que ganho hoje), tenho tempo pra escrever, pra passear com minha cachorra, pra me dar ao luxo de pensar em que roupa vou vestir e planejar uma semana toda de looks, pra fotografar minhas roupas e postá-las num blog, pra assistir minhas séries, pra ler meus livros, pra fazer comida, pra ficar com meu namo.... e ainda durmo cedo, acordo cedo e aproveito meus dias da maneira que eu achar mais adequada. se isso não é riqueza, gente, eu realmente não sei o que vocês querem. 

ūüď∑

  • Black Instagram Icon
  • Black Facebook Icon
  • Preto √ćcone YouTube
  • Black Pinterest Icon
  • Preto √ćcone Tumblr
  • Preto √ćcone Spotify

RECEBA A NEWSLETTER